Av. Antônio Marquês Figueira, 1661 - Vila Figueira

Pneus
Pneus: quais são os tipos e como fazer a leitura?

Os pneus podem parecer estruturas óbvias de um veículo, mas não é bem assim e quem precisa fazer a compra ou uma troca logo se depara com uma infinidade de tipos e características deste item.
Para o uso com segurança e precisão, o pneu deve estar de acordo com as especificações estabelecidas para determinado tipo de carro, já que ele precisa suportar a carga do veículo, amortecer, transmitir força de tração e atuar na frenagem. Ou seja, a escolha deste item é de grande importância. Saiba mais sobre eles:

Construção
Radial: Possui cabos dispostos em arcos perpendiculares ao plano de rodagem e os cordonéis são feitos de aço. É o mais utilizado no mercado, pois tem inúmeros benefícios como maior rigidez, durabilidade, redução no aquecimento e consumo de combustível, estabilidade, maior aderência e menor possibilidade de furo, já que sua carcaça é mais resistente.
Diagonal: Este tipo de construção é o mais antigo, composto por lonas sobrepostas e cruzadas, com cordonéis de fibras têxteis. É pouquíssimo usado no mercado atual e precisam de câmara de ar para ser instalados. A sua maior desvantagem é que um furo faz com que ele murche na hora. Já o radial se mantém cheio por mais tempo, muitas vezes apenas denotando o problema na hora da calibragem ou no dia seguinte, com o carro no chão.

Tipos
Os tipos mais comuns de pneus são:
Direcional
São pneus esportivos, com melhor tração, ideal para solos instáveis como terra, terrenos lodosos e pedregulho. É indicado para carros off-road e motoristas que gostam de adrenalina. Uma das maiores vantagens deste tipo de pneu é a capacidade de drenar a água, sendo indicado para pistas molhadas. Os pneus de alta performance de chuva (como de Fórmula 1) geralmente são direcionais. A desvantagem é que costumam ser mais ruidosos do que outros tipos.
Simétrico
É o mais comum no mercado, indicado para carros de passeio. Tem menos ruído e custo e há diversas formas de fazer rodízio com este tipo de pneu. Com este tipo, é possível inverter o pneu na roda, deixando a parte que antes estava na parte externa na interna. Este procedimento é bastante útil quando o carro anda desalinhado por um tempo e desgasta mais um dos lados do pneu.
Assimétrico
É o mais tecnológico do mercado e com melhor desempenho em pista, seca ou molhada, e curvas. Possui os lados diferentes, sendo a borda externa mais reforçada do que a interna, e desenhos que trabalham com excelência para a dispersão de água e calor. Os novos veículos esportivos já vêm equipados com este tipo pneu. É o meio termo entre o direcional e o simétrico.

Leitura
No flanco do pneu estão todas as informações que você precisa saber sobre ele e que vai ajudar na sua preservação.
Suponha que os dados do seu pneu são: 175/70 R 13 82 T
Agora é hora de interpretar:
175 – é a largura do pneu em milímetros.
70 – É a relação altura/largura do pneu, representada em porcentagem. Neste caso, a altura é 70% da largura, sendo igual a 122,5 milímetros.
R – Indica que a construção é radial.
13 – Diâmetro da roda, aro, em polegadas.
82 – Carga máxima que o pneu pode suportar. É o índice de carga.

Tabela de Indice de Carga

T – É o símbolo de velocidade e indica a velocidade máxima a que o pneu pode ser submetido, neste caso 190 Km/h. Os outros símbolos são:
N – 140 Km/h
P – 150 Km/h
Q – 160 Km/h
R – 170 Km/h
S – 180 Km/h
U – 200 Km/h
H – 210 Km/h
V – 240 Km/h
W – 270 Km/h
Y – 300 Km/h
TWI
Fique atento ao Tread Wear Indicator (indicador de desgaste de rodagem). Quando o pneu está careca, são eles que demonstram este fator de insegurança. Segundo nossa legislação, a profundidade da área que fica em contato com o solo não pode ser inferior a 1,6 mm. A infração, além de colocar vidas em risco, pode resultar na apreensão do veículo.